Preservação da fertilidade em pacientes com câncer de mama

PorDra. Ludmila Thommen

Preservação da fertilidade em pacientes com câncer de mama

Aproximadamente 200.000 mulheres americanas são diagnosticadas com câncer de mama a cada ano, com 9% delas ainda em idade fértil. No Brasil, mais de 35.000 mulheres entre 15 e 39 anos são diagnosticadas com algum tipo de câncer anualmente.

A taxa de sobreviventes com câncer é crescente e se deve principalmente pelo diagnóstico precoce e avanço no tratamento. A estimativa é de que 80% das crianças e 60% dos pacientes adultos com câncer sobrevivam pelo menos cinco anos após o diagnóstico e muitos deles são, de fato, curados do câncer. O maior grupo é representado pelas pacientes de câncer de mama. Em média, as taxas de gravidez são 40% menores entre as mulheres sobreviventes de câncer em comparação com a população em geral.

Para essa população de futuros sobreviventes, a questão da fertilidade pode ser uma preocupação quando vão receber os tratamentos oncológicos. Tratamentos como a Radioterapia, quimioterapia e terapia hormonal afetam a função do ovário. Por isso, o momento ideal para abordar a possibilidade de infertilidade e estratégias relacionadas a preservação é antes do tratamento.

Portanto, conversar com a mulher e entender sua perspectiva com relação ao desejo de ser mãe, explicar as possibilidades de preservação da fertilidade e participar do planejamento futuro da maternidade se esse for seu desejo, deve fazer parte da educação e escolhas do paciente.

Quais as opções de tratamento para preservação da fertilidade?

  • Bloqueio dos ovários com uso medicamento na esperança de reduzir a probabilidade de insuficiência ovariana induzida pela quimioterapia. Ainda é considerada como uma abordagem experimental; não deveria substituir as modalidades comprovadas.
  • Congelamento de óvulos

Acredito que a grande desvantagem dos tratamentos estabelecidos para preservação de fertilidade seja o alto custo. Além disso, tem a questão do tempo, que por conta do diagnóstico iniciar o tratamento do câncer o mais rápido possível é uma prioridade.

Importante, sempre ter avaliação de especialista em reprodução assistida para a melhor abordagem de preservação de fertilidade.

  • Stensheim H, Cvancarova M, Møller B, Fosså SD. Pregnancy after adolescent and adult cancer: a population-based matched cohort study. Int J Cancer 2011; 129: 1225–1236.
  • Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n° 874, de 16 de maio de 2013. Institui a Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).; Brasília: Ministério da Saúde; 2013.
  • Valdivieso, Manuel et al. “Cancer survivors in the United States: a review of the literature and a call to action.” International journal of medical sciences vol. 9,2 (2012): 163-73. doi:10.7150/ijms.3827.
  • Fertility Preservation in Patients With Cancer: ASCO Clinical Practice Guideline Update.Kutluk Oktay, Brittany E. Harvey, Ann H. Partridge, Gwendolyn P. Quinn, Joyce Reinecke, Hugh S. Taylor, W. Hamish Wallace, Erica T. Wang, and Alison W. Loren Journal of Clinical Oncology 2018 36:19, 1994-2001.

 

Dra. Ludmila Thommen Teles

Sobre o autor

Dra. Ludmila Thommen administrator

Deixe uma resposta